Atenção!
O Internet Explorer não suporta a nova versão do nosso site, atualize seu navegador para o Microsoft Edge, Google Chrome ou Mozilla FireFox e continue navegando.

Os drinks levam um clima festivo a qualquer reunião e deixam as comemorações completas. Melhor ainda se forem com gin, a bebida do momento.

Se há alguns anos não era possível achar facilmente bares especializados em coquetelaria, hoje, alguns endereços
nas grandes cidades chamam a atenção. Com a disseminação deles, veio também a popularização do gin. “O sabor do gin não é tão intenso quanto o de outros destilados, o que permite que ele seja uma excelente base para a criação de coquetéis”, explica Pedro Vieira, gastrônomo e proprietário do Ginger Bar. “Diferentemente da vodka, que é conhecida por não deixar traços, o gin possui uma personalidade forte. O zimbro, presente em todo gin, tem um sabor que lembra madeira de pinho, mas também é floral e herbáceo. Esses sabores dão uma característica única para a bebida”, completa.

Segundo Pedro, hoje são muitos países que produzem um bom gin, entre eles a Inglaterra, a Alemanha, a Espanha e os Estados Unidos. “Historicamente, foi na Holanda onde o gin se desenvolveu, mas foi na Inglaterra que ganhou
as características contemporâneas e, não à toa, é a bebida favorita da rainha”, conta. “No Brasil, a produção do gin tem se popularizado nos últimos anos, ganhando cada vez mais maturidade e qualidade, por isso, vale a pena darmos mais atenção às marcas nacionais e acompanharmos o desenvolvimento da indústria local”.

Para saber sobre a qualidade do destilado, a dica é provar a bebida ou contar com a ajuda de especialistas, já que os rótulos normalmente não trazem muitas informações. “Os bartenders são ótimas pessoas para passar essas informações, mas, ao provar o gin, verifique se é possível sentir o cheiro dos componentes botânicos e cítricos e das pimentas. Um gin ruim normalmente traz uma forte presença de químicos e um gosto acentuado de álcool”, afirma Pedro.

Para tomá-lo puro, como qualquer destilado, é preciso que seja de boa qualidade. A dica é acrescentar gelo e uma
rodela de fruta cítrica, como limão ou toranja. “Ao beber o gin puro, procure reconhecer as características dos componentes botânicos presentes”, ensina Pedro. Já para quem quer fazer um drink com a bebida, José Baggio, chefe de bar do Ginger, diz para nunca misturá-lo com ingredientes que passem por cima do seu aroma ou sabor. “Insumos cítricos mais aromáticos sempre são uma boa opção para ajudar a liberar mais ainda o potencial do gin. Hortaliças aromáticas também são muito bem-vindas nessas receitas, como hortelã, manjericão, alecrim e tomilho”, indica.

 

OS TIPOS DE GIN

Pedro Vieira descreve as características dos gins mais populares encontrados no Brasil.

London Dry: é seco e sem adição de sabores após a destilação. Categoria formada em geral pelas marcas mais conhecidas e clássicas, de origem inglesa.

Genever: conhecido popularmente como o pai dos gins, foi a primeira fórmula criada na Holanda. Existe o velho e o novo e o sabor é neutro.

Old Tom: é um pouco mais doce que o London Dry e um pouco mais seco que o Genever.

New Western: é a categoria mais nova de gin. Não usa o zimbro como principal elemento aromático, ainda que esteja contido na bebida. É uma experiência completamente diferente, pois pode ter aromas mais doces, florais e até mesmo lembrar frutas e vegetais. Hendricks e Nordes são excelentes exemplos desse estilo. Normalmente, vem de países como EUA, Espanha e Alemanha.

Sloe Gin: é um destilado mais leve. Normalmente, a graduação alcoólica é entre 15 e 30%. Leva infusão de uma fruta chamada blackthorn, que é muito parecida com o mirtilo, porém, um pouco mais ácida. Essa bebida é excelente para fazer coquetéis mais leves e extremamente aromáticos.

Plymouth: de origem controlada, hoje encontramos apenas uma marca, que leva o nome da região.

 

Receita de Negroni

“Coquetel clássico muito apreciado em festas de fim de ano. É de fácil consumo antes e depois das refeições e tem um toque um pouco mais amargo que a maioria dos coquetéis, mas ainda se mantém como um dos mais consumidos no mundo”, indica José.

INGREDIENTES

  • 30 ml de gin
  • 30 ml de vermute tinto
  • 30 ml de aperitivo Campari
  • 2 ½ rodelas de laranja

MODO DE PREPARO

Misture os 3 primeiros ingredientes em um copo baixo com gelo. Mexa com o auxílio de uma colher até o coquetel ficar bem gelado e suave para consumo (aproximadamente 40 segundos) e finalize com 2 meia rodelas de laranja para trazer mais aroma e toque cítrico ao coquetel.

 

Receita de Ginger Gin Tonic

“Um coquetel autoral muito saboroso para ser feito em um evento”, diz José.

INGREDIENTES

  • 50 ml de gin
  • 120 ml de água tônica
  • 10 ml de suco de gengibre
  • 1 colher (sopa) com sementes de romã
  • Guarnecer com 1 ramo de alecrim

MODO DE PREPARO

Pique aproximadamente 150 g de gengibre, bata com aproximadamente 150 ml de água e coe para retirar os resíduos
da polpa do gengibre. Misture aos outros ingredientes e cubos de gelo.