As oleaginosas são ingredientes quase obrigatórios nas ceias de fim de ano em muitas famílias. Isso desde a Roma Antiga, quando era costume dá-las de presente, pois simbolizavam fartura e prosperidade (nozes), proteção contra a fome (avelãs) e excesso de bebida (amêndoas).

O conto “O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos”, de Ernest Theodor Amadeus Hoffmann, publicado em 1816, e o balé adaptado do conto, que estreou em 1892 e geralmente é encenado nessa época do ano, reforçaram essa tradição.

Entre diversos itens não tão saudáveis que integram as ceias, nozes e amêndoas se destacam por fazerem muito bem à saúde. Tanto que, exceto para quem é alérgico, indica-se comê-las diariamente, para prevenir uma série de doenças. De acordo com pesquisas realizadas pelo Imperial College London e pela Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, o costume de ingeri-las diminui a probabilidade de doenças cardiovasculares, renais e respiratórias, derrame, câncer, diabetes e Alzheimer, pois as oleaginosas são capazes de reduzir a inflamação e a oxidação de moléculas.

Flávia Sguario, nutricionista clínica funcional com especialização em fitoterapia, listou as oleaginosas mais comuns e seus benefícios:

 

Amêndoas

Ricas em cálcio, fósforo e arginina, que ajuda na circulação e na saúde cardiovascular, possuem magnésio e vitamina E, uma dupla antioxidante importante no combate ao excesso de radicais livres do organismo. Por suas fibras garantirem a saciedade, são aliadas do emagrecimento e da manutenção de peso.

 

Nozes

“As nozes, tão tradicionais nas festas de Natal e Ano Novo, passaram a ter lugar garantido nas mesas durante todo o ano, pois é rica em gordura monoinsaturada, benéfica para a saúde cardiovascular, além de ser rica em glutationa e vitamina E, antioxidantes poderosos que atuam no combate ao excesso de radicais livres responsáveis por uma série de doenças, como o câncer”, explica a nutricionista. “Para fechar, as nozes ainda possuem cálcio, zinco e fibras que ajudam a manter a saciedade e deixam a fome bem longe.”

 

Pistache

“O pistache contém fitoesteróis em quantidades suficientes para melhorar a saúde do organismo, evitando-se a ocorrência de um eventual entupimento das veias devido ao mau colesterol”, diz Flávia. Assim como suas irmãs, o pistache tem substâncias antioxidantes, como selênio e vitamina E, que auxiliam na inativação dos radicais livres que danificam as células, prevenindo o envelhecimento precoce.

 

Castanha-de-caju

Flávia diz que a castanha-de-caju tem ótimas quantidades de vitaminas do complexo B e de um aminoácido chamado arginina, que auxilia na circulação sanguínea. Por ser rica no aminoácido triptofano, ajuda na formação da serotonina, neurotransmissor relaxante e calmante. Também é fonte de zinco, cálcio e magnésio.
“Prefira as versões sem adição de sal, pois assim evita-se a retenção de líquido e proporciona-se o equilíbrio da nossa pressão arterial.”

 

Castanha-do-Pará

Brasileiríssima, é uma das principais fontes de selênio (em apenas uma unidade há a quantidade diária necessária do mineral), que tem grande poder antioxidante, além de ser rica em cálcio e magnésio, combinação perfeita para a saúde óssea. Ainda possui zinco, vitamina A, vitaminas do complexo B (B1, B2, B5) e fibras. É importante para combater o envelhecimento precoce, acelerar o metabolismo e otimizar o processo de detoxificação natural do corpo, além de atuar na manutenção dos hormônios tireoidianos.

 

Avelã

Essa oleaginosa contém grande quantidade de gorduras monoinsaturadas, responsáveis por combater o colesterol ruim – o dobro da castanha-de-caju, por exemplo. Também é fonte de magnésio e vitaminas do complexo B, anti-inflamatórios que protegem o coração. Ainda possui cálcio, vitamina E, manganês e fibras.